As cidades mais cervejeiras do mundo

AS CIDADES MAIS CERVEJEIRAS DO MUNDO

1. Baden Baden, em Campos do Jordão
Pale Ale, stout, pilsen, weissbier, porter. Não importa, o mundo inteiro adora cerveja! Apreciar uma loira gelada (aliás, pode ser também negra, mulata, ruiva ou branquela e, de vez em quando, não tão gelada) é possível planeta afora. Acompanhe-nos em uma viagem pelas cidades mais cervejeiras do mundo! (Tuca Vieira)

2. Lúpulo
Pilsen, República Tcheca Pilsen (ou Plzen), fica na região da Boêmia. Esse binômio não é só sinônimo de cerveja como aqui é cultivado um dos mais característicos lúpulos (foto) do planeta. É ele que dá o característico amargor à bebida e é exportado para o mundo inteiro (Thinkstock)

3. Cervejas trincando na Pilsner Urquell, a cervejaria que fez história em Pilsen
A Pilsner Urquell é a marca de cerveja tipo pilsen por excelência, leve e pouco alcoólica, a que caiu como uma luva no gosto do brasileiro. A visita à fábrica da Urquell é passagem obrigatórios para os apreciadores (Cristiani Apolonio)

4. Cúpula de vidro do Reichstag, atual sede do Parlamento Alemão, em Berlim
Berlim, Alemanha Berlim, capital alemã, sedia um dos maiores festivais de cerveja do planeta, o Internationales Berliner Festival, sempre no alto do verão, no mês de agosto. A cidade também possui diversos bares especializados, lotados tanto no verão como no inverno. 

5. Sapporo Beer, Japão
Sapporo, Japão Japonês gosta de cerveja? Ô, se gosta! Em todas as grandes metrópoles do país é possível apreciar a bebida em izakayas, botecos com ótima combinação de comidas gostosas e cervejas variadas de marcas como Asahi, Ebisu, Orion e Kirin. Sapporo, capital da província de Hokkaido, no norte do país, venera as geladas. No verão a cidade é tomada pelo Festival da Cerveja. A fabricante Sapporo (foto), produtora da clássica Black Label, possui um ótimo bar e museu dedicado (Sapporo Tourism Organization)

6. Festival da Neve, Sapporo, Japão
Sapporo foi sede dos Jogos Olímpicos de Inverno de 1972 e de algumas partidas da Copa do Mundo de 2002. A avenida Odori Koen é palco de seus principais eventos populares, como o Festival da Neve e o próprio Festival de Verão, quando a cerveja vira protagonista. Para acompanhamento, vá de genghis khan, um tipo de churrasco preparado à mesa, ou o lamen de missô. Leia mais: comidas típicas de Hokkaido(Koichi Kamoshida/Getty Images)

7. Ceske Budejovice, Rapública Tcheca
Ceske Budejovice, República Tcheca A ligação de Ceske Budejovice com o mundo da cerveja fica subentendido por seu nome alemão: Budweis. Em torno da ampla praça P?emysl Otakar II estão instaladas dezenas de bares que servem diversos rótulos locais, todos ótimos, leves ou densos (Eduardo Jun Marubayashi)

8. Ceske Budejovice, República Tcheca
A visita à fábrica da Budweiser (que não tem nada a ver com a homônima americana) é um passeio bem bacana em Ceske Budejovice. Da captação da água ao engarrafamento, muito marmanjo não para de sorrir durante o animado tour, que termina em uma degustação. Aqui no Brasil esta marca é vendida sob o nome Czechvar (Eduardo Jun Marubayashi)

9. Canais de Bruges, Bélgica
Bruges, Bélgica Difícil escolher uma só cidade da Bélgica que represente bem o mundo da cerveja. Neste país há mais de 150 marcas, abrangindo rótulos comerciais disponíveis em todo o mundo e exclusivas garrafas produzidas por monges trapistas. Os nomes são todos conhecidos: Palm, Hoergaarden, Gouden Carolus, Stella Artois, De Koninck, Deus, Duvel, Chimay, Delirium Tremens, Leffe, Westvetleren. A lista não termina nunca. Bruges, em Flandres, não possui tantas fábricas (a melhor, com certeza, é a De Haalve Man), mas a quantidade de bares especializados na bebida é de enlouquecer qualquer um. De acompanhamento, um bom queijo. Trapista, é claro (Thinkstock)

10. Petisco do Patorroco, em Belo Horizonte
Belo Horizonte, Minas GeraisMineiro gosta igualmente de cachaça e cerveja, isso é um fato. E as comidinhas de boteco de BH, então, são uma instituição em bares como o Patorroco (foto). Algumas das melhores casas da cidade, entre as vizinhas Savassi e Funcionários (e mais além), são o Café Viena Beer (com sua vasta carta de opções) e o Redentor (e seu chope perfeitamente tirado).

11. Heineken Experience, em Amsterdã
Amsterdã, Holanda Tanto quanto seus vizinhos belgas, os holandeses são grandes apreciadores de cerveja. Marcas locais bastante apreciadas são Amstel, La Trappe e Grolsch, mas em Amsterdã nada bate a marca da garrafa verde, ao menos em volume. A ligação com a cidade é tão grande que uma de suas principais atrações é o animado Heineken Experience (©NBTC)

12. Amsterdã, Holanda
A simpática Amsterdã possui dezenas de bares, dos bem fuleiros (mas com uma atmosfera muito especial) aos mais chiques, dentro do anel de canais ou no bairro dos bacaninhas, o Joordan Mais em 48 Horas em Amsterdã (Thinkstock)

13. Ringue de patinação montado no Centro de Montreal
Montreal, Canadá Na segunda maior cidade francófona do mundo (depois de Paris), seria de se esperar uma tremenda devoção ao vinho, mas não é bem isso que acontece. Montreal, em Quebec, tem em seu DNA uma longa estirpe de cervejeiros e isso é facilmente visto em seus muitos bares. Além das bem conhecidas Molson, a mais antiga cervejaria norte-americana ainda na ativa (foi fundada em 1786), e Labatt (de 1828)  não deixe de provar a La Fin du Monde, muito provavelmente a melhor produzida no Canadá. A cidade abriga anualmente o animado festival Mondial de la Bière, no fim da primavera (Photononstop/Tibor Bognar/Diomedia)

14. Munique é palco para a Oktoberfest há 200 anos, mas, apesar do nome, a festa é realizada do meio de setembro ao começo de outubro
Munique, Alemanha Há 200 anos Munique é palco para a Oktoberfest, que, apesar do nome, começa em setembro. Sua origem remonta às comemorações do casamento de um de seus príncipes. Hoje, a cidade abriga dezenas de biergartens, como a clássica Hofbrauhaus, cervejarias onde é possível apreciar densas bebidas, em canecões bem pesados. Linguiças, salsichas e deliciosos pães são o acompanhamento perfeito (Polka Dot Images)

15. Jardins do renascentista castelo Rosenborg, em Copenhague, encomendado por Christian IV
Copenhague, Dinamarca O que o termo pH (aquele, das aulas de química), a estátua da Pequena Sereia, um dos mais importantes museus da Dinamarca e a reconstrução do Castelo Frederiksborg, um dos mais belos do país, têm a ver com cerveja? Todos foram financiados ou concebidos pela família de cervejeiros e filantropistas Jacobsen, fundadores da Carlsberg, a quarta maior empresa do gênero no mundo. Outra marca popular pertencente ao grupo é a Tuborg, figurinha fácil nas mesas ao ar-livre dos bares de Copenhague (Thinkstock)

16. Ambiente do bar Jobi, no Rio de Janeiro
Rio de Janeiro Oh, não tem lugar melhor para provar um chope cremoso. Acompanhado de petiscos e os amigos, então, tudo fica perfeito. Mais em 48 Horas no Rio de Janeiro (Fernando Frazão)

17. Busch Stadium, Saint Louis, EUA
Saint Louis, EUA Os Estados Unidos possuem diversas marcas bastante apreciadas, normalmente através das indefectíveis latinhas de alumínio. Milwaukee, Denver, Portland e San Diego são todas cidades onde a cerveja é consumida aos decalitros, mas há poucas coisas mais americanas do que provar a sua assistindo a um jogo do Saint Louis Cardinals no Busch Stadium (foto). A cidade ainda possui diversos bares que produzem seus próprios rótulos  (pdsphil Creative Commons)

18. Na Oktoberfest, o clima de carnaval com sotaque alemão transforma a Blumenau em outubro
Blumenau, Santa Catarina Não há como deixar Blumenau fora da lista. Sua Oktoberfest é a maior da América do Sul e atrai dezenas de milhares de visitantes todos os anos

19. Bicicletas são o meio de transporte preferencial em Dublin, capital da Irlanda
Dublin, Irlanda Terra da stout mais conhecida do mundo (na verdade, é uma porter), foi nos pubs de Dublin que ideias sobre a secessão com o Reino Unido vingaram. Um exemplo clássico de que filosofia de bar pode ter resultados bem concretos. Uma das melhores experiências na cidade é visitar a Guinness Storehouse, provavelmente a atração turística número um da cidade. Para mais dicas de pubs na cidade, veja a matéria De Gole em Gole da Viagem e Turismo (Douglas Pearson/Getty Images)

20. The Green Man, em Londres
Londres, Reino Unido Depois de um duro dia de trabalho ou para um almoço com especialidades interessantes (como a torta de miúdos), o pub londrino é uma instituição cultural. Motoristas de táxi, executivos da City, garotinhas vestindo Vivienne Westwood, parece que todos em Londres têm seu bar favorito para jogar conversa fora e encontrar os amigos. Veja dicas de endereços na matéria da Viagem e Turismo, London Pride (Danilo Valentini)

21. Frangó, São Paulo
São PauloNas últimas décadas os paulistanos adotaram de vez o estilo carioca de apreciar cerveja. Botecos bacaninhas espalharam-se pela cidade, com petiscos deliciosos, garçons afinados e serpentinas muito bem calibradas. Fora do circuito Vila Olímpia-Pinheiros-Vila Madalena, onde ficam clássicos como Astor, Pirajá e Filial, casas como o Veloso (e suas maravilhosas coxinhas) e Frangó (com sua carta com 450 rótulos) dão bem o tom mais democrático dessa ondaMais em 48 Horas em São Paulo (Divulgação)

22. Boston Pub, EUA
Boston, EUA A mais irlandesa cidade dos EUA adora uma cervejinha. Se isso não bastasse, aqui também estão milhares de universitários do MIT e de Harvard. Ou você acha que CDF não gosta de beber? Boston possui o mais alto consumo per capita da bebida do país, uma grande festa em sua homenagem -- a American Craft Beer Fest -- e uma adorada marca local, a Samuel Adams Mais em 48 Horas em Boston(soelin Creative commons)

23. Bier Markt von Fass, Porto Alegre
Porto Alegre, Rio Grande do Sul Os gaúchos não devem nada aos vizinhos catarinenses em termos de amor à cerveja. De simpáticos botecos como o Natalício e o Brechó do Futebol a tentadoras casas especializadas como a Malt Store Cervejas Especiais, PoA também oferece templos como Bier Markt von Fass e suas insanas 30 opções de chopp (foto).  (LIGIA SKOWRONSKI )

24. Tequila, México
Em um passado distante, egípcios, mesopotâmios e outros povos da Antiguidade perceberam que grãos fermentados davam samba. Preciosas quantidades de trigo e cevada que estavam a meio caminho de apodrecer de repente viraram uma bebida inebriante, perfeita para comemorações. É curioso imaginar que nesta região, o Oriente, Médio, o berço da cerveja, o consumo de álcool é proibido em diversas esferas.

Seja como for, a bebida popularizou-se, ganhou formas distintas (que os antigos mal reconheceriam), ingredientes curiosos (como amoras, xarope de bôrdo ou cerejas) e, na Europa, ganhou a adição do lúpulo, que lhe conferiu uma personalidade totalmente diferente.

Conheça agora as cidades mais cervejeiras do mundo, que a celebra em bares, pubs, festivais, biergartens e animados botecos.

Na lista, destinos óbvios como Munique (terra da Oktoberfest original), Pilsen (precisa explicação?) e Dublin. Embarque conosco nesta viagem!

Fonte - https://viagemeturismo.abril.com.br/materias/as-cidades-mais-cervejeiras-do-mundo/


Compartilhe:



Tags:

BIERMARKT Cervejas artesanais, desde 2009

TOP